Reforma da Previdência terá mudanças em cinco pontos

aposentadoria-busca-am-10-kuxe-u201264200427w6c-1024x576gp-webCom alterações, governo vai deixar de economizar R$ 140 bilhões em dez anos. Aposentadorias especiais voltariam a incluir policiais e professores.

O governo aceitou mexer na proposta da reforma da Previdência para conseguir aprovar o projeto no Congresso. São cinco pontos que o governo disse que vão mudar. Na aposentadoria rural, a idade mínima pode ser mantida como é atualmente: 60 anos para homens e 55 para mulheres, e não os 65 anos propostos.

Pode voltar a valer também o acúmulo de aposentadoria com pensão por morte, mas só para valores próximos ao salário mínimo. A idade mínima do benefício de prestação continuada, que é pago a deficientes e idosos de baixa renda, voltaria para 65 anos, como é hoje.

As aposentadorias especiais voltariam a incluir policiais e professores, por exemplo, e as regras de transição ficariam mais flexíveis, atingindo trabalhadores até de 40 anos.

O governo disse que essas mudanças na reforma da Previdência podem reduzir a economia prevista em 17%. O governo vai deixar de economizar R$ 140 bilhões em 10 anos. O governo quer manter a idade mínima. A proposta é de 65 anos para homens e mulheres.

O presidente Michel Temer disse que não recuou na reforma da Previdência. Para o Palácio do Planalto, é estratégia para conseguir maioria. Temer disse que não pode ser considerado recuo, porque o Congresso é o centro das aspirações populares e defendeu o diálogo com os parlamentares. Temer falou ainda sobre a reforma da Previdência nas redes sociais.

“É necessário e urgente reformar nosso sistema previdenciário. O rombo das contas aumenta a cada ano. Sem a reforma, não teremos crescimento econômico. Não haverá criação de novos empregos para tantos milhões de desempregados”, afirmou o presidente.

As propostas de reforma ainda nem foram votadas na comissão especial na Câmara, mas já tem muito debate e os deputados já apresentaram mais de 100 emendas, tentando modificar o texto.

Fonte: G1

Comentar