Convite

unnamed

A Embaixada de Portugal e o Centro Cultural Português (CCP) Brasília / Camões I.P. convidam para a apresentação dos livros “Palavras Cruzadas”, de Guiomar de Grammont e “Enigmas da Primavera”, de João Almino.

O lançamento e sessão de autógrafos, com os autores, contará com a participação do jornalista brasileiro Hugo Studart.

Os premiados escritores, agora finalistas do Prêmio Rio de Literatura, Guiomar de Grammont, autora de “Palavras Cruzadas” (Rocco) e João Almino, autor de “Enigmas da Primavera” (Record), construíram obras que tratam da ruina da utopia, drama vivido pela geração nascida na segunda metade do século 20.

Em seus livros, o leitor fará viagens com os protagonistas por diferentes lugares, mas, sobretudo, pelo interior atormentado pelas duvidas e questões que atravessam nosso tempo, sobretudo no conturbado Brasil de hoje.

Sobre o Livro “Palavras Cruzadas” (Editora Rocco, 2015)

Com narrativa ágil e envolvente, o romance Palavras Cruzadas de Guiomar de Grammont, aborda as questões enfrentadas pela família de um guerrilheiro desaparecido, com mistério e revelações que vão sendo apresentadas progressivamente.

O roteiro se desenvolve a partir da busca e das investigações da jornalista Sara, pelo irmão, Alexandre, que desapareceu na Guerrilha do Araguaia.  Ela faz diversas entrevistas e investigações e viaja a Cuba e também ao local onde a guerrilha ocorreu.

O romance foi realizado a partir de ampla pesquisa, utilizando, ficcionalmente, documentos pouco conhecidos sobre a guerrilha do Araguaia.  É um livro também muito poético, sobre a obsedante presença do ausente.

Sobre a autora Guiomar de Grammont

Guiomar de Grammont é escritora, dramaturga e professora da Universidade Federal de Ouro Preto. Doutora em Literatura Brasileira pela USP, publicou, entre outros, a pesquisa histórica “Aleijadinho e o Aeroplano” (Record), os volumes de contos “Sudario”, “O fruto do vosso ventre”, pelo qual recebeu, em 1993, o Prêmio Casa de Las Américas e, em 2015, o eletrizante romance “Palavras Cruzadas” (Rocco). Foi editora da Record, curadora de Bienais do Livro no Rio, Minas e Bahia e da parte brasileira de eventos literários internacionais, como as Feiras de Bogotá (2012), de Frankfurt (2015) e Salão do Livro de Paris (2015). Criou e coordena, desde 2005, as edições anuais  do Fórum das Letras de Ouro Preto.

Sobre o Livro “Enigmas da Primavera” (Editora Record, 2015)

Enigmas da primavera transcorre, em parte, na cidade planejada. Mas, desta vez, o leitor segue também por Madri e Granada, e ainda pelas fábulas e histórias do mundo árabe, no encalço de Majnun, o protagonista do romance. Instável e romântico, contraditório e imprevisível, ele encarna as idiossincrasias de nosso tempo. “Majnun é um jovem enfadado com seu cotidiano, que busca preencher seu vazio nas redes sociais. Tem todo um futuro pela frente, que em vez de alimentar sua utopia, o faz mergulhar inicialmente num pensamento antiutópico, já que flerta com a volta a um passado que nunca vivenciou”, diz o autor.

João Almino, assim, consolida algo raro entre os ficcionistas: encara a atualidade, enquanto aborda a sensação de vazio, as tentações da tirania, a intolerância. A Primavera Árabe e os protestos de 2013, os indignados europeus e os arroubos do fundamentalismo islâmico se enovelam numa trama densa e sedutora, que lança luz ao estilo singular deste escritor, vencedor de prêmios como o Casa de las Américas 2003 e o Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura 2011.

Sobre o autor João Almino

Escritor e diplomata, João Almino nasceu em Mossoró, no Rio Grade do Norte. Aclamado pela crítica por seus romances Ideias para onde passar o fim do mundo (indicado ao Prêmio Jabuti e ganhador de prêmio do Instituto Nacional do Livro e do Prêmio Candango de Literatura), Samba-enredo, As cinco estações do amor (Prêmio Casa de las Américas 2003, publicado no México, na Argentina, na Itália e nos EUA), O livro das emoções (indicado para o 7º Prêmio Portugal Telecom de Literatura 2009 e o 6º Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura 2009; publicado em 2012 nos EUA) e Cidade livre (Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura 2011; finalista do Jabuti e do Portugal Telecom; publicado, entre outros, na França e nos EUA), seus escritos de história e filosofia política são referência para os estudiosos do autoritarismo e da democracia. É também autor de ensaios literários. Doutorou-se em Paris, orientado pelo filósofo Claude Lefort. Ensinou na UNAM (México), UnB, Instituto Rio Branco, Berkeley, Stanford e Universidade de Chicago.

Entrada Gratuita

Comentar